top of page

Blog
Home > Blog

criancas-de-maos-dadas.png
Buscar
  • Foto do escritoredileneflorentinoj

“Pais devem educar-se para perceber”, diz neuropsiquiatra.

Atualizado: 19 de abr.



Nem sempre somos capazes de perceber a realidade; apenas interagimos com ela. Na verdade, sequer conseguimos identificar o mundo exterior como se apresenta, porque somos restringidos pela forma como as nossas sensações nos permitem conhecê-lo. À tarefa mental que nos leva a interpretar o ambiente, com os estímulos que recebemos dos órgãos sensoriais, denominou-se percepção. É a habilidade que possuímos para captar, processar e entender a informação. Uma sensação, entretanto, pode gerar percepções diferentes, pois cada pessoa tem sua própria sensibilidade e forma opinião a partir de suas experiências. Embora exista um consenso de que a percepção torne consciente os eventos captados por meio dos sentidos (visão, audição, paladar, olfato e tato), não é rejeitada a possível capacidade de pressentir algo ainda não revelado, sem o uso do raciocínio. Essa faculdade, chamada de intuição, é para a psicologia a manifestação de um conhecimento inconsciente, que a mente resgata antecipadamente a partir de experiências anteriores. Na filosofia, chegou a ser descrita por Platão como uma verdade direta que se receberia de um plano transcendente. A intuição é ainda observada por cientistas como percepção instintiva ou resultante do acesso a uma memória transgeracional (cumulativa, que ressoa através de gerações) - a ressonância de campos mórficos. Sensação e intuição são, assim, componentes da percepção. Animais também podem pressentir. Algumas espécies possuem sentidos bem aguçados e sāo capazes de identificar sinais antes mesmo de acontecimentos como morte e catástrofes naturais. Mas, o que explicaria essa perspicácia? E ela serviria de orientação para que os seres pudessem estar, digamos, no lugar certo, na hora certa? Inteligência, acaso, sorte, senso de oportunidade foram hipóteses admitidas até que a Física nos revelou sobre magnetismo.   Energia, campo, vibração É provável que você já tenha ouvido falar sobre “campo magnético” ou saiba que se trata de um efeito físico. Talvez já tenha também ouvido sobre “campo eletromagnético” e imagine que seja o mesmo, em outras palavras. Na prática, ambos sāo manifestações da mesma propriedade da matéria chamada carga elétrica. O que distingue um do outro explica, em linguagem acessível, o professor Renato Brito, em seu canal no Youtube:

1) Uma carga elétrica, pelo simples fato de existir, já é capaz de atrair ou repelir outra carga. Ou seja, ela já produz campo elétrico.

2) Se, além de existir, a carga tiver velocidade, se estiver em movimento, além do campo elétrico, ela também vai produzir o campo magnético. Ou seja, o campo é uma manifestação de cargas elétricas em movimento. 3) Mas, se, além de se mover, a carga tiver aceleração, ela vai irradiar uma onda eletromagnética, feito uma antena, por exemplo. E uma onda eletromagnética não é algo sem graça quanto um campo elétrico ou um campoeletromagnético. Simplesmente, porque uma onda mgnética se propaga, tem uma oscilação de campo elétrico e uma oscilação de campo magnético; é diferente de um campo elétrico estático ou dinâmico. Uma onda eletromagnética é uma vibração.



Quando a carga tem aceleração (curvas do desenho), produz onda eletromagnética, a qual tem um campo elétrico, que vibra num plano (setas em azul), e um campo magnético que oscila num plano perpendicular (setas em vermelho).


A descrição de Brito corresponde às partes localizadas nas extremidades de um ímã. Ao redor do ímã forma-se um campo, detectado pela força que exerce em cargas elétricas em movimento. Os polos iguais se repelem e os polos diferentes se atraem. Esse é o efeito do campo magnético e diz respeito a um campo vetorial, pois em qualquer lugar do espaço ele possui tanto uma direção quanto uma grandeza. A Terra possui um campo magnético que surge do seu núcleo externo, devido à enorme quantidade de ferro líquido e outros metais lá existente; esse material se movimenta, gerando corrente elétrica. A descoberta foi feita pelo pesquisador inglês William Gilbert (1544-1603). O campo se estende por milhares de quilômetros no espaço, formando a magnetosfera, e protege a Terra das partículas radioativas vindas do sol e de raios cósmicos. Sem esse tipo de escudo, dizem, não seria possível viver no planeta.



Desvendando a bússola interna Que as aves percebem o campo magnético da Terra e o usam como ferramenta de navegação para fazer longos voos migratórios, já se tinha conhecimento. Cientistas admitiam a hipótese de que este sentido, semelhante ao de uma bússola, estivesse associado à visão, supondo que as aves não detectariam campos magnéticos na escuridão. Todavia, uma pesquisa da Universidade de Oxford, na Inglaterra, e da Universidade Nacional de Cingapura, mostrou que os pássaros podem literalmente enxergar os efeitos da força magnética (VEJA, 2012).

Relatos de sobreviventes levaram à crença de que os animais seriam dotados de um sexto sentido, percebendo vibrações e mudanças na pressão do ar, alterações fisico-químicas no ambiente, assim como as primeiras oscilações vindas do interior da Terra. Isso os faria buscar por um lugar seguro. O caso de Brumadinho, Minas Gerais, é uma demonstração. Quando houve o rompimento da barragem, antes mesmo que se ouvisse o estrondo e fosse notada a avalanche de lama que varreu a região, moradores perceberam um comportamento atípico dos animais - bois e vacas teriam saído correndo.


Pelo menos duas conhecidas hipóteses tentam explicar essa bússola interna, chamada pelos pesquisadores de “magnetorrecepção“. Uma delas é de que existiriam receptores magnéticos na cabeça dos animais, que lhes permitem regular o “relógio biológicoe detectar campos magnéticos, Os receptores seriam de cristais semelhantes aos do campo da Terra. Eles se alinhariam e ativariam receptores ou células capilares, quando houvesse mudança de polaridade. Outra teoria é de que existiriam fotopigmentos nos olhos dos animais - criptocromos - capazes de detectar quimicamente o campo magnético e fornecer um estímulo visual que serviria de bússola. Glândula pineal decifra o enigma

Um dos maiores pesquisadores, no mundo, da epífise neural – também chamada de glândula pineal -, o neuropsiquiatra brasileiro Sérgio Felipe de Oliveira, acredita que a pineal responde a questão. Ela é uma glândula tão pequena quanto uma ervilha e tem a forma de uma pinha - daí o seu nome (do latim “pinea”, que significa pinheiro). Embora pequena em tamanho, desempenha papel extremamente importante, ao receber radiações do Sol, que coordena os ciclos circadianos, como vigília e sono, e da Lua, que coordena o ciclo reprodutivo. “Todos os seres têm a pineal e todos olham para o mesmo ponto, que é o céu. Então, como o céu é o mesmo para todos, ele é uma forma de equalização do ecossistema, um ponto de convergência onde tudo se organiza”, afirmou o médico. Em sua dissertação de mestrado sobre a estrutura da glândula pineal humana, na Universidade de São Paulo (USP), o dr. Sérgio Felipe usou métodos como microscopia eletrônica, difração de raios X, tomografia computadorizada e ressonância magnética, o que lhe possibilitou verificar a existência de cristais de apatita incrustados na glândula. A apatita é um mineral encontrado na natureza, na crosta terrestre e em rochas vulcânicas e, conforme estudiosos, seus cristais conferem à glândula estrutura semelhante à de uma caixa de ressonância, dado que a apatita possui muitos elétrons (carga negativa) em sua superfície que repelem o campo magnético. (PORTAIL VERS L’EVEIL)

Durante os estudos, o dr. Sérgio Felipe de Oliveira dissecou vários corpos e constatou que

nenhuma epífise é igual a outra. Cada pessoa tem a sua própria, da mesma forma que cada um tem quantidades diferentes de cristais de apatita; o volume não pode ser aumentado ou diminuído, visto que é uma característica biológica. No entanto, quanto mais cristais se tem, maior a chance de captação de ondas eletromagnéticas. Ao fraturar um cristal de apatita, o pesquisador observou que este apresentava lamelas concêntricas, como uma cebola, e que quanto mais velho o corpo biológico, maior a quantidade de lamelas. Com padrão parecido ao do tronco de uma árvore, o número de lamelas de um cristal seria, então, o indicativo da idade e não a quantidade de cristais que se possui.  

“Os olhos captam a luz e transformam em imagem; os ouvidos captam som e transformam em neuroquímica. A pineal capta campo magnético e transforma em neuroquímica. E o campo magnético é capaz de transportar informação emocional e de conteúdo”, afirma o neuropsiquiatra, elucidando que quando as pessoas interagem há uma linguagem – a da comunicação de conteúdo -  e uma metalinguagem - a impressão magnética, sentida uma da outra. Isso explica o caso das reações empáticas, que seriam magnéticas: “Quando você chega perto do outro, você sente algo, existe um campo que se antecipa. O campo transita onde não tem matéria, e intermedia o campo material do imaterial.” (PARANORMAL EXPERIENCE!)

A epífese neural foi uma das últimas glândulas endócrinas a ser identificada e hoje, sabe-se, é a primeira a ser formada em fetos, destacando-se a partir das primeiras semanas de gestação. Ela está localizada no centro geométrico do cérebro (entre os dois hemisférios) e, em seres humanos, cresce geralmente até a idade de dois anos, quando se estabiliza. Devido à sua posição, não está protegida do fluxo sanguíneo, o que leva ao acúmulo de depósitos minerais e, consequentemente, à sua calcificação. No entanto, essa calcificação é reversível e sua atividade pode ser estimulada.

As conclusões do dr. Sérgio Felipe propiciaram um entendimento mais profundo da atividade da pineal, que ecoa no meio científico. O interesse acerca do seu trabalho já o levou a palestrar em instituições de diversos países, como na Universidade de Harvard, em Boston, e na Antioch University, em Los Angeles, nos Estados Unidos.

Personalidade e mediunidade

Tendo como uma das principais atividades a produção de melatonina – hormônio que regula o ritmo pelo qual o organismo se adapta à duração do período claro (dia) e do período escuro (noite) – a pineal secreta esse neurotransmissor durante a noite, por ser sensível à luz. Isso explica o fato de a exposição excessiva à luz artificial, no período noturno, especialmente a luz azul emitida por dispositivos eletrônicos, afetar negativamente a qualidade do sono das pessoas, inibindo a liberação do hormônio.

A síntese de melatonina ocorre em etapas enzimáticas, a partir do aminoácido triptofano, que gera dimetiltriptamina – DMT –, passando pela síntese de serotonina. Também conhecido como “molécula do espírito”, o DMT é uma substância que se faz presente em plantas, sendo produzido pelo organismo de seres humanos e de animais mamíferos, marinhos e anfíbios. Sua formação seria amplificada em momentos extraordinários de nossas vidas, como nascimento, morte, experiência de quase-morte e experiências místicas transcendentais, de acordo com o psiquiatra americano Rick Strassman, especialista em psicofarmacologia, que estudou os efeitos das drogas endógenas e alucinógenas.

Sob esse aspecto, a pineal transcende a sua função endócrina. Algumas tradições filosóficas e esotéricas associam-na à percepção além dos sentidos físicos e apontam-na como o centro da intuição, atribuindo-lhe status de “terceiro olho”. Este seria o órgão por meio do qual se estabeleceria uma conexão com outras dimensões. “Ao definir o ritmo de produção hormonal relacionando-se com o  tempo (e o tempo, do ponto de vista conceitual da Física Quântica, seria uma região do espaço), a glândula responderia por esse trânsito entre o mundo espiritual e físico, tornando-se um órgão de conexão mediúnica“, sustenta o dr. Sérgio Felipe. Apesar de essa atribuição ainda ser debatida, o neuropsiquiatra lembra que o transtorno caracterizado por uma perda transitória da consciência da própria identidade é reconhecido no Código Internacional de Enfermidades (CID) N°10, F44.3, da   Organização  Mundial de Saúde, como Estados de Transe e Possessão”. O tratado de Psiquiatria de Kaplan e Sadock, no capítulo sobre as  Teorias da Personalidade” também faz menção a esse transtorno e Carl Gustav Jung (1875-1961), psiquiatra suíço e fundador da psicologia analítica, realizou estudo com uma médium possuída por espíritos. Essas referências, na opinião dele, já dariam abertura para se discutir o tema, do ponto de vista científico. Sendo uma faculdade de percepção sensorial, como qualquer outra do tipo, a mediunidade, para ser exercida, necessita de um órgão que capte a mensagem e de outro que a interprete. A hipótese do dr. Sérgio Felipe é de que a pineal seja o órgão que capta ondas eletromagnéticas vindas de outra dimensão e de que o lóbulo frontal seja o responsável pela interpretação, auxiliado pelas demais áreas encefálicas.

Se a pineal capta alguma coisa e aquilo vai para área visual, vê-se como imagem – é uma clarividência; se capta e vai para a área auditiva – é uma clariaudiência; se capta e vai para uma zona motora – tem-se mioclonias; se capta e vai para o lóbulo frontal – é uma ideia ou um pensamento intrusivo; se capta e vai para o cerebelo, a pessoa tem perda de equilíbrio; se capta e vai para o sistema límbico, a pessoa chora e não sabe o porquê, ou tem uma tristeza e não sabe de onde vem. Então, a pineal capta o jogo dessa psicosfera e transfere para o cérebro, transformando em sensações e percepções, dependendo da área cerebral em que aquilo se direciona.” Ao cuidar de pacientes que sofriam com a morte dos filhos, o dr. Sérgio Felipe viu a necessidade de os pais se educarem para saber que o universo está aberto à percepção humana. Mas como eu vou perceber?”, simula o médico. Para ele, cada um deve se interessar em estudar, em viver a espiritualidade“, o que ele chama de processo transformador, pois a percepção vai se abrir para entender o contínuo e diminuir ou aplacar a saudade do ente querido que partiu dessa vida. Nesse sentido, considera importante um certo treino para melhorar as qualidades de recepção, além de transcendência, ou seja, acolher como possível a existência de uma realidade imaterial, de natureza metafísica.


Referência: BRITO, Renato. DIFERENÇA ENTRE CAMPO ELÉTRICO E MAGNÉTICO. YouTube, 08 de ago. de 2023. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ts-I09Ew1Cw. Acesso em: 07 de out. de 2023. CAMPO MAGNÉTICO: O QUE É, FÓRMULA, INTENSIDADE E RESUMO. Física, Manual do Enem. 29.07.2022. Publicado por Miguel Bertelli. Disponível em: https://querobolsa.com.br/enem/fisica/campo-magnetico. Acesso em: 07 de out. de 2023. ANIMAIS SE ORIENTAM ATRAVÉS DO CAMPO MAGNÉTICO DA TERRA. Blog OXIMAG, 09.10.2020. Disponível em: https://www.oximag.com/blog/animais-se-orientam-atraves-do-campo-magnetico-da-terra. Acesso em: 07 de out. de 2023. PÁSSAROS TÊM ‘VISOR’ DE CAMPO MAGNÉTICO, DIZ ESTUDO. Veja, 15.03. 2012. Ciência. Disponível em: https://veja.abril.com.br/ciencia/passaros-tem-visor-de-campo-magnetico-diz-estudo/. Acesso em: 07 de out. de 2023. PARANORMAL EXPERIENCE! Glândula Pineal e seus segredos - Dr. Sérgio Felipe. (#257) 09.08.2023. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=HapMYrb1cJ8/. Acesso em: 08 de out. de 2023. DE OLIVEIRA, Sérgio Felipe. A GLÂNDULA PINEAL|Série Práticas Espirituais para a Vida (#10). YouTube, 10.06.2022. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=NZvxOSPLJp8&t=525s. Acesso em: 14 de out. de 2023. INSTITUTO DR. SÉRGIO FELIPE DE OLIVEIRA. Disponível em: https://institutodrsergiofelipedeoliveira.com/dr-sergio-felipe-de-oliveira/. Acesso em: 14 de out. de 2023. PORTAIL VERS L’EVEIL. (Presque) Tout Savoir Sur La Glande Pinéale. (Quase tudo o que você precisa saber sobre a glândula pineal). Publicado por Hélène Ollivier. 30.12.2014. Disponível em: serenagaia.blogspot.com/2014_12_01_archive.html. Acesso em: 14 de out. de 2023. PALAVRAS, TODAS PALAVRAS. A Mediunidade e a Psicanálise - entrevista com Sérgio Felipe de Oliveira. 26.04.2008. Arte e Cultura. Disponível em: https://palavrastodaspalavras.wordpress.com/2008/04/26/a-mediunidade-e-a-psicanalise-entrecista-com-sergio-felipe-de-oliveira/comment-page-3/. Acesso em: 15 de out. de 2023. PODER DO EU SUPERIOR. O Segredo Metafísico da Glândula Pineal. YouTube, 13.02.2022. Disponivel em: https://youtu.be/8G_k5uBJMO4. Acesso em: 14 de out. de 2023.

MEDICINA DA CONSCIÊNCIA. Ciência e Espiritualidade: O papel da glândula pineal no equilíbrio do sistema corpo-mente. 11.07.2023. Disponível em: https://www.medicinadaconsciencia.com/blog/glandula-pineal-sahasrara-chakra. Acesso em: 21 de out. de 2023. McTAGGART, Lynne: O Campo: A força secreta que move o universo. 4ª Edição. Lisboa: Marcador Editora, agosto de 2019.


57 visualizações0 comentário

Comments


logo-png.png
bottom of page